02/07/2011

ROLETA RUSSA

Não quero lamentar-me nem celebrar a vida;
desconheço ainda quem é quem desta vez.
Posso esperar tranquilo com a frágil paciência
daquele que, passadas as primeiras horas da insónia,
diz a si mesmo que não importa dormir três horas ou nenhuma,
não faz diferença
(penso com a tranquilidade daquele que espera a bala).

Mariano Peyrou

O DISCURSO OPCIONAL OBRIGATÓRIO, Tradução de Manuel de Freitas, Prefácio de José Ángel Cilleruelo, Averno, Novembro de 2009

Sem comentários:

Enviar um comentário