29.9.15

FRAGMENTOS

Escritor - homem casado?
Sempre escritor-de-domingo.
Não tem o momento azado,
sua arte é pingo a pingo.

Alexandre O'Neill

ANOS 70 poemas dispersos, Assírio & Alvim, Lisboa, Outubro 2005

23.9.15

Passa-culpas

Um lesado, dois lesados,
cem lesados, muitos mais
interpelam com mandados 
e libelos literais
os mandantes, paus-mandados
que tantas coisas e tais
garantiram, mas com dados
profusamente irreais.
E perante a roda-viva,
a onda de desespero,
há quem finja, quem se esquive,
quem denegue e assevere
um bisonho passa-culpas
sem sentido nem desculpas.

Domingos da Mota

[inédito]

17.9.15

Debate

Não sei quem ganhou,
mas perco com ambos:
nenhum condenou,
olhando os escambos,

tratados, desgraças,
ferozes matilhas,
as graves trapaças
e as moscambilhas.

Dizer quem ganhou,
não vale uma aposta.
Mas sei quem ficou
a arder e não gosta

do muito que sói
dizer-se que dói.

Domingos da Mota

[inédito]

15.9.15

Quadra

Lá se foi um guarda-chuva
com as rajadas de vento.
Pudesse eu secar as dúvidas
que afogam o pensamento.

Domingos da Mota

[inédito]