19/05/2020

Pacientemente

Não penso cruzar-me
com um presidente
em calções e máscara
na fila das compras,

pacientemente.

Se pensasse nisso
e o caso se desse,
perguntar-lhe-ia:
não compra um chouriço?

Leva queijo e pão,
avisos ao quilo,
meloa e melão,
figuras de estilo,

laranjas e peras,
uvas, tangerinas,
cerejas, amoras,
bananas, mirtilos,

maçãs, melancia,
gosta muito disso,
mas insistiria:
não leva um chouriço

para quem assim
o fotografou?
Nem falo por mim
que esmola não dou

para o santo-e-senha
nem para o andor
que melhor convenha
ao ilustre senhor.

Domingos da Mota

18/05/2020

Medos

A medo sai de casa, vai à rua,
a medo chama o elevador;
a medo olha o sol, mas é na lua
que leva a cabeça; por favor,

a medo diz a quem pára ao seu lado,
sem cuidar de manter outra distância;
a medo continua mascarado,
com medo de agravar a sua ânsia;

a medo dá a volta ao quarteirão;
a medo entra numa padaria,
a medo chama alguém e pede o pão,
a medo lavas as mãos, tenha um bom dia:

com medo, um pacato cidadão
confina-se de novo e compra um cão.

Domingos da Mota

11/05/2020

Quase-haiku em tempo de pandemia

Cuida-te, meu!
Vozes de burro
não chegam ao céu

Domingos da Mota

07/05/2020

Trivela

Pescador de águas turvas,
sempre que o ódio afivela,
cuidado nas contracurvas,
não vá malhar de trivela.

Domingos da Mota

06/05/2020

Cão de Pavlov

Tanta sede de holofotes.
Tanta fome de palanque.

Tanto cão
de Pavlov.

Domingos da Mota

21/04/2020

Comemoração

De celebrar faço questão.
Antes celebrar na Assembleia
Que celebrar no Panteão.

Domingos da Mota

12/04/2020

Planalto

Se fosse vinho do Douro
ou a voz de um contralto
mas é este duradouro
e penoso planalto

Domingos da Mota

11/04/2020

Efeitos colaterais

Afastados

que ora andamos,
suspicazes uns
dos outros, como

inimigos olhamos
este, aquele, e
essoutro?

Domingos da Mota

27/03/2020

Parafraseando Empédocles

fogo
água
terra
e
falta de ar

Domingos da Mota

26/03/2020

parafraseando, ainda

sem o vírus
que abomino,
passaremos?

- passarinho

Domingos da Mota

21/03/2020

lava as mãos

lava as mãos e lava os pés
lava os olhos lava a boca
lava uma e outra vez
lava o medo que sufoca

lava as mãos e os talheres
lava a roupa lava a loiça
lava a alma lava o corpo
lava os dentes lava a boca

desinfecta os objectos
em que tocas lava as mãos
e não toques nos dejectos
nem sequer nos corrimãos

limpa a casa lava as mãos
desempesta os teclados
maçanetas e desvãos
e afasta os maus olhados

e se espirras ou se tosses
usa lenços de papel
o cotovelo que possas
nesta guerra sem quartel

não te esqueças da higiene
da distância social
que aproxima quem teme
a pandemia letal

Domingos da Mota

14/03/2020

Motete sobre prazos de validade

Legumes murcham
Batatas grelam
Cebolas também
Fruta apodrece

Arroz tem prazo
Massa tem prazo
Água tem prazo
Bebidas têm prazo

Medicamentos têm prazo
Papel higiénico
Papel higiénico?
Papel higiénico:

Abarcador tem prazo
Açambarcador morre
O egoísmo abunda
A estupidez é eterna

Domingos da Mota

08/03/2020

Da supina ignorância

Da supina ignorância
bolçada de cátedra,
livrai-nos, Senhor!

Domingos da Mota

06/03/2020

correntes d'ar

correntes d'ar
d'ouro

d'escritas
de transmissão

ou
não

Domingos da Mota

25/02/2020

Parafraseando:

pelo sim pelo não
retiro o que não disse
e o que não publiquei

não vá
o Facebook dizê-lo
e publicá-lo

Domingos da Mota

(a partir da leitura do último poema do livro 'Um ócio todo estendido', de Paulo José Borges)

09/02/2020

Aliteração

verosímil
vírus
virulento

Domingos da Mota

24/12/2019

se isto é o Natal

se isto é o Natal: na fila que
circunda o quarteirão por um só bolo-
-rei da Petúlia, ou lá o que é,
e zanga-se com quem disser que é tolo

Domingos da Mota