7.9.13

Contra o vómito

    Porque o poema é sempre contra o vómito.
     Porque o poema é sempre, SOBRETUDO,
     contra engolir o vómito.

     Vasco Gato


Uma fossa, uma latrina,
um esgoto petulante,
um verme que congemina
ser o Inferno de Dante;

um caga-raiva mais sujo,
mais empestado que as fezes,
mais reles que um sabujo,
mais desprezível, mil vezes,

a vomitar o seu ódio
com insultos viscerais,
um verme que busca o pódio
entre vírus e demais

bactérias resistentes,
a julgar-se um Tiradentes.

Domingos da Mota

[inédito]


Sem comentários:

Enviar um comentário