05/10/2012

Jorge de Sena

A Canalha


Como esta gente odeia, como espuma
por entre os dentes podres a sua baba
de tudo sujo sem sequer prazer!
Como se querem reles e mesquinhos,
piolhosos, fétidos e promíscuos
na sarna vergonhosa e pustulenta!
Como se rabialçam de importantes,
fingindo-se de vítimas, vestais,
piedosas prostitutas delicadas!
Como se querem torpes e venais
palhaços pagos da miséria rasca
de seus cafés, popós e brilhantinas!
Há que esmagar a DDT, penicilina
e pau pelos costados tal canalha
de coxos, vesgos, e ladrões e pulhas,
tratá-los como lixo de oito séculos
de um povo que merece melhor gente
para salvá-lo de si mesmo e de outrem.

Jorge de Sena

                              7 de Dezembro de 1971

Publicado na revista Hífen, Porto, n.º 6, Fevereiro 1991

DEDICÁCIAS seguido de Discurso da Guarda, Guerra e Paz Editores, S.A., Março de 2010

Sem comentários:

Enviar um comentário