26/08/2012

declaração de rendimentos

no meio de tanta incerteza. "é a prosa da
vida que faz falta a muita gente". sentença de escritor.
roubam-te a esperança. o fundo olhar da paixão.
               chegam-se a ti com
um fósforo. e querem levar
tudo. a troco de um esgar. cotado em bolsa.
               querem vampirizar o ar que
respiras. cuida. meu amor. cuida da prosa.
do vagaroso espreguiçar da palavra. leva-a.
                no cesto da fruta. antes
que apodreça na casca endividada.
querem que os teus olhos. calem. as fogueiras. a alegria.
                o sol. que te
venderam. como só teu. e agora. cobram juros.
porque existe. porque sim. é preciso cortar em tudo. dizem.
                porque o
sol também é um assalariado.
e a luz que lhe assiste. (à excepção dos senhores
                que lhe sugaram a
energia. toda. renovável). tem custos.
umas manhãs às escuras. ou. uns poentes apagados.
                consolidam as finanças.
sabes amor. estamos na boca da turbina. de assépticos.
                predadores. cuida amor.
guarda a palavra. semeia-a no ventre. inventa-a.
                na dança silenciosa
dos teus lábios.
a palavra. em prosa serena. que ainda.
não paga IVA. se já te arrancaram o fôlego.
                para pagar os juros da
dívida. salva. a imaginação que (ainda) não é tributada.

Alberto Serra

morrer de vagar, Edição Temas Originais, Lda., Coimbra, 2012

Sem comentários:

Enviar um comentário