12/12/2010

VII - LAMENTAÇÃO DO SUICIDA EXPERIENTE

O suicídio é tudo: nada
que me preenche a vida.
O suicídio é mudo, cada
veneno é uma saída.

O suicídio é fundo: anda
por dentro numa ferida.
E o suicídio é o mundo, manda
no trânsito da avenida.

O suicídio é luto: fada
que a luz não me alumia.
E o suicídio é fruto, nada
no sumo da melancia.

O suicídio é imundo: tanta
escuridão no dia.
E o suicídio é chumbo, santa
prisão que me asfixia.

Suicídio, entrudo, manta
sobre o caixão da vida,
brilho, canudo, quanta
mecânica suicida.

Luís Adriano Carlos

OITO FRAGMENTOS DO SUICIDA APRENDIZ, in apeadeiro, revista de atitudes literárias, edições Quasi, N.º 1, Primavera de 2001

Sem comentários:

Enviar um comentário