01/12/2012

Um abismo

Um abismo de silêncio
abriu-se na casa.

Funâmbulo
entre dois tempos:
o passado, lenitivo
o futuro, ameaçador.

Pelas ruas, tal um verme,
rasteja o presente.

Jorge Gomes Miranda

REQUIEM, Assírio & Alvim, Lisboa, Novembro 2005

Sem comentários:

Enviar um comentário