29/01/2012

AMAZÓNIA

IX

Corpos.
Rijos, secos
como troncos velhos.
Cepos.

Charcos de cachaça
e de suor.
Marés de força baça,
roída
e carcomida
de sóis e de torpor.

Mirrando.
Como os frutos
murchando,
como águas a estagnar.
Atlânticos mortos
de mundos a secar.

O sol e a selva
sem destroços.

- A vida é fome
à flor dos ossos.

Carlos de Oliveira

TURISMO, in NOVO CANCIONEIRO, Prefácio, Organização e Notas de Alexandre Pinheiro Torres, Editorial Caminho, Lisboa, Dezembro de 1989

Sem comentários:

Enviar um comentário