14/05/2011

TROCAR DE SANGUE

Os altares do sacrifício estão sempre acesos.
Somos o teu gado, Senhor.
Às vezes ordenas que suspendamos a mão sobre o filho.
A faca no ar perdeu o peso?
Agradecemos esta vez como se fosse sempre
mas deixamos o gume apontado ao coração dos homens.
Troca-se filho por cordeiro, troca-se de sangue
como se troca a camisa.
Um homem está sentado à porta da taverna
entre o vinho e o sol. Tem os dentes podres
cheios de buracos. A respiração passa pelas gengivas.
Também elas em sangue e vinho.

Rosa Alice Branco

GADO DO SENHOR, & etc, 2011



Sem comentários:

Enviar um comentário