11.8.08

Figurações

          água-forte em relevo




Era uma vez um país
embolado a navegar
no alto do seu nariz,
e à beira de naufragar.


Um país de tiranetes,
de santarrões no altar,
de barões, de baronetes,
de validos, de valetes
por aí a desfilar;


um país de figurões
carregados de negaças,
onde os galos e os capões,
a mando dos passarões,
arreganham ameaças;


um país de sectários,
de falsários, de falsetes,
de caciques, de sicários,
cães de fila, mercenários
e de espirra-canivetes;


um país de saltimbancos,
de palhaços, bailarinos,
de tartufos, e de tantos
morcegos e olhimancos
à caça de gambozinos;


um país de gente fina,
gente de fé, impoluta
que tresanda e peregrina
entre a vénia e a verrina
com a língua mais hirsuta.


E o país de virotes,
fura-vidas, fura-bolos,
de fariseus, de zelotes,
de volteios e pinotes
e chuva de molha tolos,


bruscamente acometido
pela febre e pela aragem,
perde o pé e o sentido:
entrega o oiro ao bandido:
e é fartar, vilanagem!


Um fartão de pesporrências,
destemperos, desconchavos,
de mordaças, de impudências,
e de pardas eminências
de um bando de patos-bravos.


Nesse país de opereta,
o regente, sem batuta,
segue a toque da trombeta,
dos fagotes, da veneta
de grandes filhos... / da pauta.


Era uma vez um país
levantado à beira-mar
a sacudir a cerviz
e com pernas para andar.


Domingos da Mota

4 comentários:

  1. "...
    um país de figurões
    carregados de negaças,
    onde os galos e os capões,
    a mando dos passarões,
    arreganham ameaças;

    um país de sectários,
    de falsários, de falsetes,
    de caciques, de sicários,
    cães de fila, mercenários
    e de espirra-canivetes;
    ..."

    ... e está tudo dito!

    ResponderEliminar
  2. Quase tudo dito...

    Obrigado pela visita e pelo comentário.

    ResponderEliminar
  3. Agradeço as suas palavras.Bem haja

    ResponderEliminar
  4. Vitor Costa,

    Sou eu quem agradece a leitura e o comentário.

    ResponderEliminar