17.1.16

Ode à marmita

Não dorme, dormita;
não come, petisca;
não anda, levita;
e prova e comisca;
e força a visita
e vai e arrisca
encher a marmita
que lambe e lambisca:
de porta em porta,
não beija, bajula,
abraça, conforta
do avô ao caçula,
pois nada o detém
até que Belém!

Domingos da Mota

[inédito]

Sem comentários:

Enviar um comentário