7.4.14

Sarabandas

Numa guerra como esta,
de alecrim e manjerona,
aparece quem detesta
e quem dispara e detona

sarabandas e arejos,
entre ditos e dichotes,
abrenúncios e harpejos,
sugestões de piparotes

no cocuruto de quem
desembesta, com acinte,
o menosprezo, o desdém,
do alto do seu requinte.

Numa guerra de alecrim
e manjerona, talvez,
haja não, só porque sim,
e muito sim de viés,

mas toda essa porfia
não passará de sarcasmo
sem dois dedos de ironia
e uma pitada de pasmo.

Domingos da Mota

[inédito]

Sem comentários:

Enviar um comentário