17.1.11

Sem-abrigo morre à porta de centro

Sem-abrigo morre à porta de centro - Portugal - DN

Que país é este?

4 comentários:

  1. O país que nós consentimos e depois lamentamos.

    ResponderEliminar
  2. Terá talvez razão se o "nós" do seu comentário for a expressão de uma avaliação sociológica, porque, pessoalmente, não me incluo nesse "nós".

    ResponderEliminar
  3. É, evidentemente, um lato sensu.
    Pensava na velha frase «os povos têm os governos que merecem».
    Há muita coisa que não se merece e afinal temos.
    Quando jovem, eu pensava que «o progresso» traria a libertação gradual dos humanos da luta pela sobrevivência e que atingiriamos elevados níveis de cultura, dignidade, etc.. Hoje vejo muito desse progresso e da sua antítese mais desgraçada. Afinal O progresso tecnológico que eu sonhava e queria trouxe desemprego, criou exclusões, fomentou ganâncias, e a nossa sociedade continua quase indefesa.

    Enfim, desculpe-me este desabafo mas não queria que entendesse a minha frase como uma provocação.

    ResponderEliminar
  4. Não tem nada que pedir desculpa.
    E os seus comentários, nomeadamente este último, são, além de pertinentes, esclarecedores.
    Obrigado.

    ResponderEliminar